O que significa Anátema?

O que significa Anátema?

Anátema significa excomunhão, execração, maldição, reprovação enérgica. Do grego “Anáthema” (coisa posta de lado), formada da preposição “aná” (de lado) mais “tithemí” (colocar).

Anátema é uma palavra canônica (relativa às regras da igreja) que se refere à condenação de uma doutrina contrária a qualquer verdade do Evangelho de Cristo.

Anátema é a expulsão, a condenação, a excomunhão e execração, do seio da Igreja, de qualquer pessoa que segue doutrina contrária à verdade da fé católica. Os adjetivos excomungado, maldito e amaldiçoado, qualificam aqueles indivíduos que condenam o patrimônio da fé católica.

Anátema e o Novo Testamento

No Novo Testamento, segundo os estudiosos, o termo anátema é empregado como maldição, execração, opróbrio.

Em Gálatas 1:8, o apóstolo Paulo escreve: “não existe outro evangelho – Estou admirado de vocês estarem abandonando tão depressa aquele que os chamou por meio da graça de Cristo, para aceitarem outro evangelho. Na realidade, porém, não existe outro evangelho. Há somente pessoas que estão semeando confusão entre vocês, e querem deturpar o Evangelho de Cristo. Maldito aquele que anunciar a vocês um evangelho diferente daquele que anunciamos, ainda que sejamos nós mesmos ou algum anjo do céu”.

O que significa Heresia?

O que significa Heresia?

Heresia significa escolha, opção, e é um termo com origem no termo grego haíresis. Heresia é quando alguém tem um pensamento diferente de um sistema ou de uma religião, sendo assim quem pratica heresia, é considerado um herege.

Uma heresia é uma doutrina que se opõe frontalmente aos dogmas da Igreja. Fora do contexto da religião, uma heresia também pode ser um absurdo ou contrassenso.

A heresia acontece quando qualquer indivíduo ou um grupo resolve ir contra uma religião, em especial aquelas que são muito rígidas. A heresia surgiu com a Igreja Católica, no século XVIII, em especial no período da Idade Média, quando ela começou a sentir-se ameaçada por pessoas que criticavam seus dogmas e seus ensinamentos. A definição tanto da Igreja Católica como das Igrejas Protestantes, é que heresia é quando alguém é contrário as mensagens ensinadas por Jesus, e a heresia é dita na própria Bíblia.

Uma heresia consiste na negação ou dúvida pertinaz, por parte de um cristão, de alguma verdade que se deve crer com fé divina. As heresias apareceram ao longo da história da Igreja pela negação ou recusa voluntária de uma ou mais afirmações de fé. Por sua transcendência teológica e política, são destacadas as heresias relativas à natureza e missão de Cristo (arianismo, nestorianismo e monofisismo, entre outras); em relação à liberdade do homem e à ação de graça (pelagianismo, protestantismo), em relação à luta entre o bem e o mal (maniqueísmo, catarismo, etc.); em relação à função, à vida e constituição da Igreja (valdenses, hussitas, protestantismo, etc.).

A partir do século IV os concílios ecumênicos passaram a ser o principal instrumento eclesiástico para a definição da ortodoxia e condenação das heresias e desde o século XVI a vigilância doutrinal passou a ser exercida pela Sagrada Congregação da Inquisição, chamada Santo Ofício desde 1908 e da Doutrina da Fé a partir de 1965.

Nos estados em que o catolicismo era a religião estatal, os hereges contumazes eram entregues com frequência ao braço secular para aplicação das penas civis, que podiam incluir pena de morte. Na sua própria esfera, a Igreja impõe penas canônicas, sendo que a mais importante é a excomunhão.

Heresias Cristológicas

Heresias cristológicas são ideias e doutrinas a respeito de Jesus Cristo que vão contra os ensinamentos da Igreja Católica. Algumas dessas doutrinas heréticas são: docetismo, adocionismo, arianismo, apolinarismo, nestorianismo, monofisismo e monotelismo.

Santa Inquisição

A Igreja Católica ficou tão preocupada com as criticas aos seus ensinamentos que criou, no século XIII o Tribunal da Igreja Católica, mais conhecido como A Santa Inquisição. A Inquisição tinha o objetivo de perseguir, julgar e punir as pessoas acusadas de heresia, e esses eram considerados como inimigos de estado, quando cometiam os atos por mais de um ano.

As punições por heresia eram muito severas, os hereges eram queimados vivos, torturados ou então estrangulados, e durou mais de cinco séculos.

O que significa Herege?

O que significa Herege?

,Herege é o nome dado ao indivíduo que professa uma heresia, ou seja, que questiona certas crenças estabelecidas por uma determinada religião. É a pessoa que é contrária aos dogmas de uma determinada religião ou seita.

Um indivíduo ateu pode ser categorizado como herege, pois não acredita na existência de Deus e que não pratica os deveres religiosos. Assim como um ateu pode ser considerado um herege pela Igreja Católica, um católico pode ser considerado um herege por um praticante de outra religião que apresente doutrinas distintas. Desta forma, o conceito de heresia vai variar de acordo com os ensinamentos característicos de cada religião.

Herege tem origem na palavra grega, hairetikós, que significa escolher. Foi citada no Novo Testamento, como elemento de escolha, quando o homem decide seguir suas próprias opiniões, criando novas doutrinas religiosas e seguindo novas seitas, como a dos saduceus e dos fariseus.

O herege e a inquisição

Durante a Idade Média, quando a Igreja Católica começou a se sentir ameaçada pelas pessoas que criticavam seus ensinamentos, o Papa Gregório IX, criou o Tribunal do Santo Ofício da Inquisição. O tribunal religioso foi criado com o objetivo de combater as heresias contra a legitimidade, tanto do poder eclesiástico como do poder civil, uma vez que naquela época o poder da Igreja estava nitidamente ligado ao poder do estado. Nele os suspeitos de heresias, era interrogados e torturados para a cofissão da culpa. As punições eram severas, os hereges eram torturados, enforcados ou queimados vivos.